4/26/2015

O Quarto escuro


Sempre tive uma aflição com armários. Ainda mais de espelhos. Era assim que se encontrava o meu quarto. Escuro, sem janelas e tinha um grande armário com um espelho. Que por sinal, apontava exatamente aos pés da cama. O que dava uma sensação horrível...
Mas ainda tinha meu abajur. Eu sempre deixava ele ligado, pra dormir mais tranquilo. Mas meus pais insistiam em desligá-lo enquanto eu dormia. Eu nunca perguntei o motivo, sempre fiquei quieto, mas achava estranho virem toda madrugada ou manhã ao meu quarto só para desligar um abajur.

Papai e mamãe desligaram o abajur novamente e eu acordei no meio da madrugada, com muito medo. Não consegui achar o abajur. Até que eu bato com o braço no próprio, o derrubando. Ele não quebrou e eu consegui o acender. Dei graças à Deus.
Eles vão viajar. Por algum motivo eles não querem me levar. É um casamento... Mas ainda não vi motivo exato para me deixarem aqui, sozinho. O bom nisso tudo é que posso deixar o abajur ligado a noite inteira.
Me despedi de meus pais, que só voltariam em 5 dias. Depois disso liguei a televisão e coloquei em um canal de desenhos. Fiquei em torno de 3 horas assistindo à desenhos.
Me deu uma certa aflição de ficar sozinho na sala. E isso me deu um pouco de saudade.
Fui então para o meu quarto. Onde liguei o computador e comecei a navegar na internet. Até que achei alguns blogs levados ao gênero de terror/horror/suspense. Começo a ler algumas histórias e contos da internet. Acho que são ''creepypastas'' ou algo do tipo.
Desligo o computador e vou tomar banho. Coloco meu pijama e vou direto pra cama.
Sem esquecer: Liguei meu abajur.

Naquela noite, eu tive um pesadelo.
Uma silhueta escura saindo do meu espelho vinha em minha direção, mas não me atacava, apenas desligava o abajur e ficava ali no canto escuro do quarto me observando. No terror que se passou em segundos dentro de um pesadelo, eu acordo. E só percebo uma coisa: Meu abajur está desligado.


Conto do Victor Silveira
Bons Pesadelos...

8 comentários:

  1. Para vocês que gostam de contos de terror, não deixem de conferir meu blog!
    http://oficinadoshorrores.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. O texto é conciso e possui um envolvente tom de relato. Vai sendo construído de forma espontânea e coerente, baseando-se nos medos do personagem principal. Essa forma de narrar, mostra-se eficiente em transportar o leitor ao panorama sombrio do cômodo onde ocorre a maior parte da história: o quarto. Em meio a um ambiente solitário, o clima de ansiedade se desenvolve e, absorvido por essa atmosfera, o protagonista parece estar sob a vigilância de um estranho olhar. Tal espreita encerra a história com um estranho clima de dúvida no ar, o que mostra um bom domínio narrativo do autor.

    Obs. 1: pratique mais e fique atento à construção das frases. A leitura de livros, jornais e revistas é um ótimo exercício.

    Obs. 2: só se usa letra maiúscula após dois pontos se for o caso de uma citação. Observe:
    Eu estava na rua e resolvi perguntar ao guarda: “Onde fica o metrô?”.

    No caso de não ser uma citação, mas apenas um prolongamento do que foi dito, começa-se com minúscula, como no exemplo a seguir:
    Eu caminhava na rua, mas resolvi parar: decidi fazer uma pergunta ao guarda.

    Obs. 3: o título captou perfeitamente a “alma” da história.

    ResponderExcluir
  3. filipe pagando de fodao POIUAGSDOIASDIFSA AIAIAIAIAIAI

    ResponderExcluir
  4. Eu gostei muito do texto, porém achei a parte: "Onde liguei o computador..." até "Desligo o computador e vou tomar banho." um pouco fora do texto já que sua utilidade não foi aproveitada depois. Mas muito bom!

    ResponderExcluir
  5. Adorei a história, estava pensando em algo parecido para gravar um curta metragem e achei esse texto incrivel, gostaria de saber o contato da pessoa para poder atribuir os créditos.

    ResponderExcluir